quarta-feira, 3 de novembro de 2010


BAG VERNISSAGE



Esse Bag foi lançado na Suécia com as castas viogner e chardonnay.

Ele tem o formato de uma bolsa e é direcionado ao público feminino.


Eduardo Tlach
VINHO AO SEU ALCANCE

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

VINÍCOLA SALTON, 100 ANOS DE MUITO TRABALHO


A vinícola mais antiga em operação no Brasil faz cem anos hoje.

Parabéns a família Salton, também a todos que trabalham e trabalharam nessa empresa que hoje chega bem fundamentada no mercado de vinhos.

Ela é líder no mercado de espumantes com 40% do mercado nacional, tem vinhos finos bem estruturados sendo o Talento servido ao Papa Bento XVI em sua recente viagem ao Brasil.

Para comemorar a data a Salton anuncia dois rótulos:

- o espumante Centenário, feito pelo método champenoise, com 70% de Pinot Noir e 30% de Chardonnay,

- o tinto Centenário, feito com 50% de Cabernet Sauvignon, 40% de Merlot e 10 % de Cabernet Franc, que amadureceu em carvalho francês novo durante 16 meses.

A empresa está expandindo fronteiras em Santana do Livramento, onde tem 500 hectares de terra. Novos vinhos e uma nova cantina serão as novidades.


EDUARDO TLACH
VINHO AO SEU ALCANCE










segunda-feira, 16 de agosto de 2010

18ª AVALIAÇÃO NACIONAL DE VINHOS COMEÇA HOJE

Serão 261 amostras a serem degustadas às cegas por 87 enólogos, na EMBRAPA em Bento Gonçalves, no prazo de três semanas.

Desse total, 16 vinhos serão classificados para serem degustados por 750 avaliadores, estrangeiros e brasileiros, no dia 25 de setembro no Centro de Convenções do Parque de Eventos de Bento Gonçalves.


EDUARDO TLACH
VINHO AO SEU ALCANCE

quarta-feira, 4 de agosto de 2010


Noite Italiana em São Jorge


Festa animada, gente bonita, comida italiana e vinho de ótima qualidade, essa é a receita do sucesso da Noite Italiana na cidade de São Jorge, no Rio Grande do Sul.


Foi no sábado, 31.07. Saímos de Bento Gonçalves em noite chuvosa, estrada cheia de buracos e ainda nos perdendo no caminho, mas a vontade de estar com os amigos e tomar o excelente cabernet sauvignon da vinícola Monte Caron não nos deixaram desistir de chegar.


A estrada de acesso a São Jorge é de terra, mas após várias promessas parece que vai sair o tão esperado asfalto, que vai facilitar a vida dos moradores e de todos que visitam São Jorge, o Portal da Serra Gaúcha.


Na mesa havia fortaia, codeguim, radicci e outros pratos da culinária italiana, nota dez aos cozinheiros e organizadores.


O salão estava lotado, conseguimos os últimos ingressos com o Ivano Caron, que forneceu seus vinhos cabernet sauvignon e o moscato.


Teve show de comediantes e depois a cantora italiana Vana Gobbi e o grupo Fernando e Motta animaram e puseram todos para dançar, não pudemos ficar até o final da festa, tinha que trabalhar no dia seguinte. Mas voltaremos em breve para outra visita.


Na foto acima da esquerda pra direita: Ivano Caron, seu sócio Cláudio Luza, o prefeito de São Jorge, Sr. Jorge Postal e eu que assino este blog.


EDUARDO TLACH

VINHO AO SEU ALCANCE

domingo, 18 de julho de 2010

Vinho no sutiã

Não sei se esse sutiã tem refrigeração, mas a idéia é bem diferente. Quem sabe vão inventar algo parecido para os homens ? Que tal uma cueca ?

Segue reportagem publicada em Época Negócios.


Sutiã substitui bojo por porta vinho

Uma empresa americana especializada em ideias divertidas para presentes acaba de lançar um produto para mulheres que apreciam um bom vinho, independentemente de onde estejam.
A invenção da loja online BaronBob.com é um sutiã que vem com porta vinho. Ou melhor, utiliza o bojo do sutiã para acomodar a bebida.

Cada lado do sutiã comporta 375 ml de vinho, totalizando 750 ml por peça. O produto está disponível em dois tamanhos, pequeno e médio. O que muda entre eles é o tamanho da alça e das costas, já que ambos comportam a mesma quantidade de vinho ou qualquer outra bebida que seja da preferência pessoal da mulher. Um canudo de borracha com uma válvula que abre e fecha permite que a bebida seja consumida sem manchar a roupa.

A ideia da empresa é que além de deixar a bebida preferida sempre disponível, o sutiã ainda ajuda a "aumentar" o tamanho dos seios. Para que o volume não fique "comprometido" conforme a bebida vai sendo consumida, a dona do porta vinho pode assoprar pelo mesmo canudo (usado para consumir a bebida) e fechar a válvula.

Cada sutiã está sendo vendido na internet por US$ 29,95, equivalente a cerca de R$ 53. E para quem está se perguntando por que encher o sutiã com bebida pode parecer uma boa ideia, basta lembrar que, nos Estados Unidos, é proibido beber em lugares públicos. Quem quer consumir bebida precisa sempre enrolar a garrafa em um cartucho pardo de supermercado. No caso, o sutiã até faz sentido...

EDUARDO TLACH
VINHO AO SEU ALCANCE


sexta-feira, 2 de julho de 2010

POR TRÁS DA VIDEIRA...

Muitos são os fatores que podem alterar o resultado de um vinho, aqui vai um deles em reportagem publicada no Estado de São Paulo.


Fungicida altera fermentação da uva

Testes da Embrapa detectaram que químico afeta leveduras que vão transformar a uva em vinho

30 de junho de 2010

Leandro Costa - O Estado de S.Paulo

Resíduos de agrotóxicos podem prejudicar a produção de vinhos na região da Serra Gaúcha. É o que alerta o pesquisador Gildo Almeida da Silva, da Embrapa Uva e Vinho.

Um estudo feito pelo especialista na sede da entidade de pesquisa, em Bento Gonçalves (RS), indicou que resíduos de produtos químicos, especialmente os fungicidas, presentes nas uvas colhidas nos parreirais e encaminhadas para as vinícolas, podem prejudicar o processo de fermentação e afetar a qualidade do vinho.

Leveduras. "Por causa do clima muito úmido da região, o uso de produtos químicos é fundamental para a produção de uvas sadias, livres de organismos patogênicos, como fungos", diz o pesquisador. "O problema é que o processo de fermentação das uvas é feito por leveduras, que também são fungos. Então, se a uva que vai para a campina tiver traços de fungicidas, as leveduras serão prejudicadas e a fermentação sofrerá alterações."

Silva conta que percebeu os indícios dessa alteração há alguns anos, quando vinicultores reclamavam que os vinhos produzidos por eles estavam com alta taxa de açúcar. "Havia casos nos quais a concentração chegava a 50 gramas por litro, o que é muito para um vinho de boa qualidade, porque causa a propagação de bactérias que elevam o teor de acidez do vinho", diz.

O especialista ainda diz que os resíduos de agrotóxicos podem deixar os vinhos mais turvos durante a fermentação. "Observamos casos nos quais o vinho começa a ficar turvo próximo do sétimo mês após o início da fermentação. Investigamos outras possibilidades e concluímos que isso também tem acontecido devido ao excesso de fungicida", afirma.

A pesquisa feita por Silva, entretanto, mostra que essas alterações nem sempre são causadas pelo não respeito às quantidades de fungicidas ou o prazo de carência entre as aplicações. "Fizemos testes com os 13 produtos mais utilizados aqui na região e notamos que mesmo respeitando as especificações alguns desses produtos ainda apresentavam resíduos", revela. Por outro lado, Silva também diz que alguns fungicidas testados até auxiliaram o processo de fermentação. Com os resultados em mãos, o próximo passo é divulgar para os produtores da região quais os produtos que estão fora dos padrões.


EDUARDO TLACH

VINHO AO SEU ALCANCE

sexta-feira, 18 de junho de 2010


www.enologia.org.br.

Concurso Internacional de Vinhos do Brasil -Amostras continuam chegando de diversas partes do mundo

5º Concurso Internacional de Vinhos do Brasil já registra mais de 400 amostras de 11 países, cumprindo seu papel na promoção de vinhos de diferentes origens



Como uma vitrine para o mercado mundial, o 5º Concurso Internacional de Vinhos do Brasil continua recebendo amostras de diversos países. Até o momento, a Associação Brasileira de Enologia (ABE), promotora do evento, registra o recebimento de mais de 400 amostras de 11 países. Alemanha, Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, França, Espanha, Grécia, Portugal, República Tcheca e Uruguai já confirmam participação.
A representatividade do Brasil no evento demonstra a importância que o setor dá ao concurso como ferramenta capaz de posicionar produtos diante de um mercado cada vez mais competitivo.

Um jantar, para celebrar a grande festa dos vencedores, está sendo preparado pela ABE. Um momento de celebração da excelência de vinhos e espumantes elaborados ao redor do mundo. O jantar de premiação será no dia 8 de julho, no SPA do Vinho, no Vale dos Vinhedos. As empresas participantes terão direito à um convite cortesia para participar do encontro.

O Concurso Internacional de Vinhos do Brasil exerce um importante papel na promoção de vinhos e espumantes das mais diversas origens. Servindo como parâmetro tanto para os produtores quanto para o próprio consumidor, o evento auxilia o setor a posicionar seus produtos no mercado.

O 5º Concurso Internacional de Vinhos do Brasil, que tem a chancela da Organização Internacional da Uva e do Vinho (O.I.V.) e da União Internacional de Enólogos (UIOE), ocorre de 5 a 8 de julho no Hotel & SPA do Vinho Caudalie.


Eduardo Tlach
VINHO AO SEU ALCANCE

domingo, 30 de maio de 2010

Vinhos brasileiros inauguram espaço permanente na Vinópolis em Londres


Os vinhos brasileiros acabam de realizar um sonho. Inauguraram um espaço permanente na Vinópolis – a “Cidade do Vinho”, uma espécie de Museu Mundial do Vinho –, na margem sul do rio Tâmisa, em Londres, com apoio do Ministério de Relações Exteriores, por meio da Embaixada do Brasil na capital da Inglaterra. A conquista do projeto Wines From Brazil, realizado em parceria pelo Ibravin (Instituto Brasileiro do Vinho) e pela Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos), chega após um investimento de seis anos no mercado britânico, por meio da participação ininterrupta de 2005 até este ano na Feira Internacional de Vinhos de Londres (London International Wine Fair).

A partir da próxima semana, os consumidores britânicos terão acesso na Vinópolis, situada em London Bridge, o coração cultural de Londres, a 17 rótulos verde-amarelos de oito vinícolas brasileiras: Aurora, Casa Valduga, Irmãos Molon, Lidio Carraro, Miolo, Piagentini, Pizzato e Salton. A escolha dos produtos foi feita por sommeliers da Vinópolis. Os vinhos e espumantes brasileiros também poderão ser adquiridos no site de vendas da Vinópolis, www.laithwaites.co.uk, a partir de junho.

“Estar na Vinópolis é um marco histórico para o vinho brasileiro”, disse a gerente de Exportação do projeto Wines From Brazil, Andreia Gentilini Milan, na inauguração oficial do espaço dos Vinhos do Brasil na Vinópolis, ocorrida na última sexta-feira (21), com a presença da chefe do Setor Comercial da Embaixada do Brasil em Londres, Regina Bittencourt, do gestor de projetos da Apex-Brasil, Marco Soares, da diretora da Secretaria Estadual de Desenvolvimento e Assuntos Internacionais (Sedai), Sandra Schäfer, e de empresários, jornalistas, sommeliers ingleses, e produtores brasileiros.

“O ingresso do Brasil na Vinópolis representa uma aproximação efetiva do consumidor inglês, que além de ter contato com o espaço do Brasil poderá degustar e comprar 17 vinhos e espumantes”, afirmou Andreia. Para ela, o Brasil quer ser uma opção de consumo para quem procura vinhos elegantes, autênticos, frescos, frutados e com álcool moderado. “Colocamos definitivamente a bandeira dos vinhos brasileiros em Londres, o maior mercado importador de vinhos do mundo”, comemorou. Regina Bittencourt, da Embaixada Brasileira em Londres, destacou a presença dos vinhos brasileiros na Vinópolis. “É um orgulho para os brasileiros ter um espaço privilegiado neste lugar que recebe, por ano, a visita de mais de 100 mil pessoas de todas as partes do mundo”, comentou.

Veja os vinhos e espumantes brasileiros que estarão à venda na Vinópolis:

Aurora: espumantes Aurora Brut Chardonnay e Aurora Moscatel.
Casa Valduga: vinho tinto Gran Reserva Cabernet Sauvignon 2006.
Irmãos Molon: Pietro Felice Gran Reserva Cabernet/Merlot.
Lidio Carraro: vinho branco Dádivas Chardonnay.
Miolo: vinho branco Alisios e vinho tinto Quinta do Seival.
Piagentini: vinho Decima Gran Reserva 2005 e espumante Decima Brut.
Pizzato: vinho branco Pizzato Chardonnay 2009; e vinhos tintos Fausto Merlot 2006; DNA 99 Merlot 2005; Pizzato Concentus 2005; Pizzato Reserva Cabernet Sauvignon 2004; e Pizzato Cabernet Sauvignon 2006.
Salton: vinhos tintos Salton Talento 2005 e Salton Séries Cabernet Franc 2007.

EDUARDO TLACH
VINHO AO SEU ALCANCE

terça-feira, 11 de maio de 2010

Aerador para Vinho


Fonte: www.elgrancatador.com


Uma nova forma de aerar seu vinho, é o Decantus, feito de acrílico em forma de ânfora grega.


É muito fácil de usar.

O Decantus segue o principio de Bernoulli (1738), segundo o qual, quando um líquido passa por uma seção de diâmetro menor,em uma tubulação,diminui a pressão e aumenta-se a sua velocidade e junto a um tubo fino é capaz de atrair um fluxo de ar que permite a oxigenação imediata do vinho.


Está disponível na europa em quatro versões que vão de 25 a 65 euros.


Verifiquei meu twitter e lá encontrei o site www.decantus.com.br, onde o mesmo é vendido aproximadamente a R$ 260,00 com o frete.


EDUARDO TLACH

VINHO AO SEU ALCANCE

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Papagaio fujão retorna para tomar um drinque

Não só vinho. O papagaio Reggie, que fugiu de sua residência na Inglaterra, retornou para o jardim porque curte também uma batata frita. Foi o que contou seu dono, o britânico Hubbel Walker, de 27 anos. Como a ave não retornava, o sujeito colocou uma taça de tinto – a safra e os tipos não foram informados – e uma porção de petiscos na janela. Só assim o bicho interesseiro apareceu.


Jà ameaçou escapar novamente. Mas Walker, morador de Brockley, no sul de Londres, põs mais vinho para Reggie tomar uns drinques, até ficar quietinho, com o bico fechado.


Walker aprecia a bebida, mas não tem a menor ideia de como o animal virou praticamente um sommelier. Ele costumava deixar uns copos com sobras na mesa de jantar. A ave matava o que restava de vinho.


- Fiquei arrasado com a fuga de Reggie. Sou muito apegado a esse papagaio, diz Walker.


O dono terá de montar uma adega, pelo jeito, para manter Reggie em casa. É uma pena, mas o eno-papagaio só fica se puder apreciar as melhores safras de tinto da Itália, Espanha e EUA. Ele não é chegado muito nos exemplares ingleses.

http://noticias.r7.com/esquisitices/noticias/papagaio-fujao-retorna-para-tomar-um-drinque-20100507.html


EDUARDO TLACH

VINHO AO SEU ALCANCE

quinta-feira, 6 de maio de 2010

1º Festival do Moscatel tem início neste final de semana


Iniciativa destaca a produção local de uvas moscatéis com vistas à futura indicação geográfica para Farroupilha, oferecendo vinhos, espumantes, sucos e gastronomia à vontade em espaço reservado


O 1º Festival do Moscatel, que será realizado junto à Fenakiwi 2010, em Farroupilha, prepara os últimos detalhes para receber os visitantes da Festa Nacional do Kiwi interessados em uma opção diferenciada de enogastronomia.


Em um espaço reservado, serão oferecidos vinhos, espumantes, sucos e gastronomia à vontade. O Festival faz parte das ações estimuladas pelo Projeto IG Vinhos Farroupilha, que visa obtenção da Indicação Geográfica para o município com foco na produção de uvas moscatéis, em desenvolvimento junto com a Embrapa Uva e Vinho.


A realização do Festival é da Associação Farroupilhense de Produtores de Vinhos, Espumantes, Sucos e Derivados (Afavin); Prefeitura de Farroupilha, através da Secretaria da Agricultura e Abastecimento e da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo; e da 19ª Fenakiwi.


A abertura do Festival ocorre na sexta-feira, 7 de maio, com a recepção de convidados da Fenakiwi. O funcionamento para o público será no período de 8 a 23 de maio (sextas, das 18h às 22h; sábados, das 11h às 22h; e domingos, das 11h às 18h). O valor para participar é de R$ 35,00 por pessoa, com valores diferenciados para crianças (até cinco anos, entrada franca; de seis a 12 anos, R$ 10,00).


Esse ingresso dá direito a uma taça de vidro do Festival e às bebidas e comidas que serão servidas à vontade no espaço. Além dos vinhos, espumantes e frisantes moscatéis, que são o foco do festival, haverá opções de espumante brut, vinho tinto e suco de uva. O cardápio será composto por tábuas de frios com copa, salame, queijos, presunto, lombo canadense, pepino, azeitona, queijo de porco, morcília e torresmo. Galeto, polenta frita, queijo frito e grostoli complementam o cardápio. Vale lembrar que não serão servidas bebidas alcoólicas a menores de 18 anos e que sua entrada será condicionada ao acompanhamento de pais ou responsáveis.

Fonte: Imediata Comunicação

EDUARDO TLACH
VINHO AO SEU ALCANCE

quinta-feira, 29 de abril de 2010

A Reação do Vinho Brasileiro

Segue, matéria e foto, publicada no Jornal do Comercio, caderno Painel Economico, do jornalista Danilo Ucha. (http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=26720)

O brasileiro ainda precisa beber muito vinho nacional para desbancar o vinho estrangeiro. Em 2009, o País consumiu 13,05 milhões de litros de vinhos finos produzidos em seu território (90% no Rio Grande do Sul) e 59,13 milhões de litros de vinhos importados. A indústria vinícola nacional - com suas 1.200 cantinas, 220 das quais dedicadas ao vinho fino - faturou, em 2009, R$ 2,5 bilhões, enquanto o vinho importado vendeu R$ 900 milhões. Apesar desta supremacia dos estrangeiros, os vitivinicultores brasileiros não se entregaram. Os investimentos em parreirais, em tecnologia nas cantinas e na distribuição começaram a dar resultados. Em 2009, as vendas de vinhos finos produzidos no País cresceram 14,6%, enquanto a dos importados alcançou apenas 2% de crescimento. De acordo com o presidente do Ibravin, Julio Fante, os investimentos vão continuar, as vinícolas grandes estão ficando maiores, se equiparando às de outros países, e as pequenas estão trabalhando em conjunto para crescerem. Fante acredita que, em 2025, o vinho nacional de qualidade terá 80% do mercado brasileiro, contra os 18% que detém hoje.

Dez melhores

Três vinhos brasileiros foram selecionados entre os dez melhores vinhos do concurso Top Ten, cujos resultados foram apresentados no primeiro dia da Expovinis. Entre os espumantes nacionais, o Grand Legado Brut Champenoise, da Wine Park, de Garibaldi, ficou em primeiro lugar. Entre os vinhos brancos chardonnay, o Villagio Grando 2008, da vinícola Villagio Grando, de Santa Catarina, conquistou o primeiro lugar. Entre os tintos nacionais, o Sesmarias 2008, o famoso vinho de US$ 100,00, desenvolvido pelo enólogo Adriano Miolo, na Fortaleza do Seival, em Candiota, deu o primeiro lugar para o Miolo Wine Group.

Preço e distribuição

Entre os obstáculos que o vinho brasileiro terá que vencer para crescer econômica e financeiramente estão preço e distribuição. O vinho nacional é considerado “muito caro” pela maioria dos consumidores e os próprios produtores admitem que a distribuição, em termos de País, é muito malfeita. Há cidades que não têm garrafas de vinho em seus bares, restaurantes e supermercados. Há restaurantes, inclusive famosas churrascarias de Brasília, que oferecem apenas dois ou três rótulos de vinhos nacionais. “Os produtores não vêm oferecer seus produtos”, disse-me um dono de restaurante, domingo à noite, em Brasília. Pelo menos duas grandes empresas gaúchas detectaram o problema e estão montando projetos de logística para melhor distribuir seus produtos, a Miolo, segundo o diretor Adriano Miolo, e a Valduga, segundo a diretora Juciane Casagrande, que acaba de visitar o Norte e o Nordeste.

Os destaques

Há muitos destaques na Expovinis. Aqui estão alguns das vinícolas gaúchas do Vale dos Vinhedos: a Aurora apresenta o Espumante Brut Aurora Pinot Noir; a Casa Valduga, o Storia, 2006, um merlot varietal; a Dom Cândido, os espumantes Dom Cândido e CV, moscatel e um brut; a Don Laurindo, o Estilo 2008, corte de malbec, ancellota e tannat; a Gran Legado, um espumante moscatel premiado com a medalha de ouro no concurso Bachus, na Espanha; a Lidio Carraro, o Elos Touriga Nacional e Tannat 2008; a Millantino, o Millantino Terroldego 2006, um vinho de guarda; a Miolo, três espumantes Miolo Cuvée Tradicion, um brut, um brut rosé e a versão demi-sec; a Pizzato, o DNA 99 Pizzato2005, um varietal merlot.

Os estrangeiros

Os demais vencedores do Top Ten foram estrangeiros. Entre os espumantes importados, ganhou o Ferrar Perle´ 2002, da vinícola Ferrari, importado pela Decanter; o sauvignon blanc ganhador foi o Yealands Estate 2009, da Yeland State, da Nova Zelândia; em brancos de outras castas, ganhou o Mesh Riesling 2007, da Grosst-Hill Smith, importado pela KMM; na categoria vinho rosado, ganhou o Chatêau de Pourcieux 2009, da Provence, na França, importado pela Cantu; na categoria tinto novo mundo, o vencedor foi Morandé Grand Reserva Syrah 2005, da Morandé, do Chile, importado por Carvalhido; em tinto velho mundo, ganhou Herdade do Esporão Touriga Nacional 2007, da Herdade do Esporão, de Portugal, importado pela Qualimpor; e, finalmente, em vinho fortificado, venceu o Madeira Justinos´ Colheita 1995, da Justino Henrique, de Portugal, importado pela Porto a Porto.

Peruzzo

A vinícola Peruzzo, de Bagé, está entre as que montaram estande junto com o Ibravin, mostrando três espumantes - Peruzzo Extra Brut, Peruzzo Brut e Peruzzo Demi-Sec - e os tintos Peruzzo Cabernet Sauvignon, Peruzzo Cabernet Sauvignon-Merlot e o branco Peruzzo Chardonay. Éder Peruzzo, diretor da vinícola, prometeu o lançamento do Cabernet-Merlot 2008 para o próximo mês de maio, com festa em Bagé.

Primeiro passo

Um primeiro passo a demonstrar o despertar dos vitivinicultores brasileiros para as oportunidades na venda de vinhos está sendo dado na Expovinis 2010, aqui em São Paulo, onde 43 vinícolas foram reunidas pelo Instituto Brasileiro do Vinho num estande de 676 m2 e estão mostrando o melhor de sua produção. E, importante, com os próprios proprietários atendendo aos visitantes, em sua maioria comerciantes de bebidas de todo o País, importadores, jornalistas de vinho e enófilos. Algumas das mais conhecidas, como Miolo, Valduga e Lidio Carraro, além de participarem do estande Vinhos do Brasil, montaram estruturas próprias. Onze empresas estão estreando na feira, segundo Diogo Bertolini, gerente de promoção e mar-keting do Ibravin: Mioranza, Galiotto, Dom Cândido, Dom Bonifácio, Gran Legado, Aliprandini, Antônio Dias, Don Giovanni, Don Laurindo, Guatambu e Campos de Cima. No próximo ano, o Ibravin espera trazer 60 vinícolas.

Domno

Outra jovem vinícola gaúcha, a Domno, de Garibaldi, trouxe a São Paulo, além de novos produtos próprios, vinhos que passou a importar de Portugal e da Argentina para distribuir no Brasil. As novidades são os espumantes Extra Brut, Nero e Brut Alto Vale, premiados recentemente no exterior com medalhas de ouro. Os lançamentos são o Prosecco Alto Vale, elaborado com 100% de uvas prosecco, com 10 graus de álcool, e o cabernet sauvignon seco, para fazer companhia ao já existente meio-seco. Os vinhos estrangeiros selecionados para distribuição são os portugueses Alma Grande, Magna Carta, Romeira, Catedral, Serradayres, Devesa e Vinhas Altas, do Grupo Caves Velhas; e os argentinos Tomero, da Vistalba, dois deles com 91 e 90 pontos de Robert Parker. Jones Fontanive Valduga, diretor da Domno, está entusiasmado com o crescimento da vinícola, criada há apenas um ano e sete meses.


Eduardo Tlach

VINHO AO SEU ALCANCE

quarta-feira, 28 de abril de 2010


A Cálem anunciou hoje lançamento do seu primeiro vinho do Porto rosé e de garrafas com rótulo escrito em Braille, “pensando assim nas pessoas com deficiências visuais”.


(o vinho da foto não é o do artigo)


“Rico, sedoso e envolvente em todos os sentidos com a sua vibrante cor rosé”, é assim que a marca, propriedade do grupo Sogevinus desde 1998, caracteriza este seu novo vinho, concebido pelo enólogo Pedro Sá.


Este é o segundo porto rosé que o grupo lança no mercado. “No ano passado, foi lançado o Kopke rosé”, recorda a responsável pela comunicação da Sogevinus, Cátia Moura.

http://diariodigital.sapo.pt


EDUARDO TLACH

VINHO AO SEU ALCANCE

sexta-feira, 23 de abril de 2010


PRIMEIRO VINHO DO PORTO BIOLÓGICO


Fonte: http://diario.iol.pt


A Fonseca Guimaraens lançou este mês «o primeiro vinho do Porto inteiramente biológico», denominado Terra Prima, anunciou a própria companhia, referindo, ainda, tratar-se de «um ruby reserva».


«O Fonseca Terra Prima é fruto de uvas de grande qualidade, fortificado com uma aguardente muito fina, originando um vinho tremendamente frutado e delicioso.


A sua riqueza aromática e intensidade na boca vão arrebatar qualquer consumidor», refere o enólogo e director da Área Técnica da Fonseca.


O vinho necessitou também de uma aguardente que fosse igualmente biológica.


Como não havia em Portugal quem a fizesse, a empresa teve de ir a Espanha, para comprar o produto.


«Para tal, foram necessários três anos de trabalho com um especialista de produção de aguardentes, até atingirmos um resultado que não só fosse passível de aprovação pelo Instituto do Vinhos do Porto e Douro mas que tivesse as características de elegância e suavidade pretendidas», recorda David Guimaraens.


As uvas são de duas propriedades cuja produção é «totalmente biológica»: a Quinta do Santo António, em Vale Mendiz, no Pinhão, que é da Fonseca, e um fornecedor de São João da Madeira.


A Fonseca Guimaraens é uma casa que só faz vinhos do Porto - e quatro deles obtiveram nota máxima de 100 pontos de uma das mais influentes revistas de vinhos do mundo, a norte-americana «Wine Spectator».


EDUARDO TLACH

VINHO AO SEU ALCANCE

sábado, 17 de abril de 2010



Estudo comprova que os profissionais de mídia são os que mais bebem

Uma pesquisa realizada na Inglaterra revelou que os profissionais que mais bebem naquele país são os de mídia. Com um consumo de mais de quatro garrafas de vinho ou mais de 19 pints (560 ml) de cerveja por semana, eles bebem o dobro do que recomenda o Departamento de Saúde inglês.
A média dos profissionais dessa área é de 44 unidades de vinho ou cerveja por semana, e eles também ocupam o posto de maiores bebedores de destilados e licores, com uma média de 3.2 doses.
Em segundo lugar no ranking estão aqueles que trabalham com TI, e que consomem em média 33 unidades, seguidos por aqueles que trabalham com finanças e seguros, com 29 unidades.
Para o Departamento de Saúde, o consumo máximo deveria ser entre 21 e 28 unidades para os homens e 14 a 21 para as mulheres, semanalmente.
Na ponta de baixo da lista, os mais "comportados" são aqueles que trabalham com educação, transportes e viagens.
Professores e motoristas são os que mais controlam o consumo de álcool: mais da metade deles se preocupa com a quantidade que bebe.
EDUARDO TLACH
VINHO AO SEU ALCANCE

sexta-feira, 9 de abril de 2010


INVENTOR DO BAG IN BOX SOBE NO ÔNIBUS...


Subir no ônibus é um termo utilizado para dizer que uma pessoa não está mais entre nós.

Na semana passada nos deixou, o inventor do BAG IN BOX, o australiano Thomas Angove, que patenteou a idéia da embalagem para vinho em um saco plástico dentro de uma caixa, tinha a idade de 92 anos.

Na época que lançou a idéia seu filho, John Angove, lembra que era cético sobre a idéia do seu pai:
"Eu me lembro quando eu tinha uns 15 anos e ele trouxe para casa um protótipo, e eu lhe disse: 'Isso é ridículo, ninguém vai querer comprar o vinho de uma caixa de papelão e um saco plástico." Mas ele perseverou, estava determinado, ele tinha uma visão muito ampla".

No começo esse protótipo era uma bexiga fechada no bico com um prendedor, dentro de um caixa que logo foi substituida por uma torneira.

Pequena idéia de um apaixonado por vinhos, um brinde ao mestre inventor !

EDUARDO TLACH
VINHO AO SEU ALCANCE